Mudar a rota da campanha em defesa dos interesses dos trabalhadores

Rui Costa Pimenta

Diante da campanha do ex-presidente Lula nestas eleições, vê-se claramente que é necessário mudar a rota da campanha eleitoral e criar atos de mobilização política, mas o elenco eleito pelo PT como “heróis” da campanha eleitoral, não ajudam nisso, como é o caso do vice Geraldo Alckmin.

É preciso falar do golpe, do que fizeram no Brasil, do governo de Michel Temer (MDB). Ter uma política combativa para não ficar refém de políticas ocasionais. PSDB, MDB… elegeram Bolsonaro, votaram nele e em tudo o que ele aprovou de ruim no Congresso Nacional

Em 2014 as eleições foram ganhas por Dilma Rousseff contra Aécio Neves (PSDB), que é a junção de todos os candidatos presidenciais deste ano, entre outras coisas e apesar de toda propaganda sórdida contra Dilma e o PT, porque a campanha deu uma guinada à esquerda, no sentido da radicalização. Se isso fosse mantido e, no governo, Dilma Rousseff não tivesse tentado se aproximar da direita e dos banqueiros, se tivesse chamado uma mobilização popular contra todas as medidas que procuravam realizar contra a população e que se efetivaram,  com sua queda, no governo de Michel Temer e agora com Bolsonaro, a situação do País hoje poderia ser diferente.

Não está em questão uma união nacional com os tradicionais inimigos do povo para fazer coisa nenhuma. Simone Tebet, Bolsonaro e demais não querem apoiar Lula ou qualquer projeto nacional que coloque os interesses da população em primeiro lugar. O único caminho é fortalecer a candidatura e votar em Lula, na perspectiva de um governo dos trabalhadores.

É preciso ter claro que em um eventual segundo turno a unidade será de todos contra Lula. Como aconteceu em 2018, quando prenderam Lula numa fraude judicial exclusivamente para que ele não ganhasse a eleição.

Existe um plano para o País. E nesse plano estão excluídos qualquer defesa da educação, da saúde, moradia, emprego, defesa de salários e uma política econômica que garanta o poder de compra e condições de vida da família trabalhadora, como a instituição de um salário mínimo vital que neste momento não poderia ser inferior a R$ 7.000. Esse plano dos capitalistas, dos bilionários, dos banqueiros que defendem o imperialismo, os EUA, e não o Brasil é o plano de Simone Tebet, Bolsonaro e Cia. É preciso denunciar as privatizações e reestatizar aquilo que representa uma imensa riqueza nacional, como a Eletrobrás, a Petrobrás e todas as empresas privatizadas. Assim fazer uma verdadeira campanha eleitoral popular.

Central de Vendas

Entre em contato pelo WhatsApp  11 99867-9315 ou pelo E-mail jcoadm29@gmail.com

Precisa de ajuda?

Em caso de dúvidas, ou se quiser recuperar seu “Usuário”, envie mensagem para 11 99867-9315 ou pelo E-mail jcoadm29@gmail.com

Faça já sua assinatura digital de Causa Operária:
  • Assinatura Mensal Digital Completa (por quatro semanas) por R$ 11,99 um único mês, você pode optar pela renovação automática, descontando R$ 11,99 todo mês da sua conta.
  • Assinatura Semestral Digital Completa (por vinte e quatro semanas) por R$ 64,99 pagamento único.
  • Assinatura Anual Digital Completa (por quarenta e oito semanas) por R$ 99,99 pagamento único.

Menu Principal

Ajuda, Dúvidas e Televendas