Policial não é trabalhador

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Vinícius Rodrigues

Já ouvi inúmeras vezes em manifestações de rua no Rio de Janeiro “aqui tem mais policial do que gente”, vindo da boca dos mais revolucionários aos mais moderados. A fala levanta a polêmica de que o policial seria um trabalhador que merece ser defendido. Mas se nem gente é, como pode ser trabalhador?

Alguns setores da esquerda pequeno burguesa influenciados pelo clima reacionário da política atual e por seu oportunismo adotaram a defesa da polícia como mais uma categoria de trabalhadores, os assassinos do povo seriam uma espécie de “operários da segurança”. O maior expoente desse absurdo nos últimos tempos foi o PSOL do Rio de Janeiro e destacadamente Marcelo Freixo (atual PSB), o maior sindicalista da PM. A campanha eleitoral de Freixo consiste em defender mais a polícia que o próprio governador fascista Cláudio Castro, responsável pelas chacinas do Jacarezinho e do Salgueiro.

A tese é: por ter origem pobre e muitas vezes não ter altos salários, os policiais também são trabalhadores. Uma farsa. A principal função da polícia na sociedade capitalista é a repressão da classe trabalhadora, são a tropa de choque da burguesia para garantir a sua dominação da sociedade. Isto é, a polícia é o exército permanente da burguesia contra a classe operária. Quem fala que o exército do seu inimigo, que te massacra todos os dias, é seu aliado está perdido, é louco ou mal intencionado.

O exército de fato, as Forças Armadas, não são iguais a polícia, apesar de na América Latina a semelhança parecer grande devido as ditaduras militares. A função das FFAA não é a de reprimir os trabalhadores, em suas bases há uma disputa política grande. Na Revolução Russa, por exemplo, após três dias toda a polícia havia desaparecido, já o exército era uma das principais forças nos sovietes. Durante as revoluções sempre se forma um exército revolucionário mas não existe a “polícia revolucionária” o que existe são as milícias operárias que não tem nada em comum com as atuais milícias da burguesia, sejam as institucionais ou as ilícitas.

A defesa da polícia em manifestações de esquerda pelas direções pequeno burguesas sempre gera um repúdio nas bases. Por isso no Rio de Janeiro surgiu um canto: “Para de caô, policial não é trabalhador / é vagabundo!” Ou seja, pára de mentira, de enganação. O grito é sempre recebido pelos policiais que escoltam os atos, na iminência de reprimi-lo violentamente, com o mais puro ódio, pois os desmascara totalmente.

Eles, que atacam nos trabalhadores todos os dias nos chamando de vagabundos, são os verdadeiros vagabundos. Não produzem nada para a sociedade, não reduzem em nada a criminalidade, não melhoram nenhuma questão social e muitas vezes nem trabalham. A guarda municipal do Rio de Janeiro por exemplo, que tem como função agredir e extorquir os moradores de rua e camelôs, tem uma escala de trabalho de 12h por 60h, menos de 30h por semana, um direito que os trabalhadores de verdade deveriam ter e não os seus algozes, que nem deveriam existir.

Para acabar com a ideia de que policial também é trabalhador basta compará-lo com o seu equivalente na época da escravidão: “O capitão do mato também é escravo”. Assim se escancara o absurdo. Primeiro que o capitão do mato é um dos maiores inimigos dos escravos, segundo que o capitão do mato realmente não era um escravo, era um funcionário dos senhores de engenho. O companheiro André Constatine do movimento das favelas resumiu bem qual a relação dos trabalhadores com a polícia numa entrevista no dia seguinte à chacina do Jacarezinho. “Quem se sente seguro com a presença da polícia militar? Se você se sente seguro você não faz parte da classe operária”.

A esquerda não deveria em hipótese alguma defender a polícia, civil, militar ou federal; são nossos inimigos, são fascistas assassinos, matam dezenas todos os dias, só crianças foram mais de 2000 em dois anos. A política da esquerda tem que ser: Dissolução total da polícia e de todo o aparato de repressão. Os trabalhadores devem organizar a sua própria segurança, pois a segurança da burguesia é justamente a repressão dos trabalhadores.

Central de Vendas

Entre em contato pelo WhatsApp  11 99867-9315 ou pelo E-mail jcoadm29@gmail.com

Precisa de ajuda?

Em caso de dúvidas, ou se quiser recuperar seu “Usuário”, envie mensagem para 11 99867-9315 ou pelo E-mail jcoadm29@gmail.com

Faça já sua assinatura digital de Causa Operária:
  • Assinatura Mensal Digital Completa (por quatro semanas) por R$ 11,99 um único mês, você pode optar pela renovação automática, descontando R$ 11,99 todo mês da sua conta.
  • Assinatura Semestral Digital Completa (por vinte e quatro semanas) por R$ 64,99 pagamento único.
  • Assinatura Anual Digital Completa (por quarenta e oito semanas) por R$ 99,99 pagamento único.

Menu Principal

Ajuda, Dúvidas e Televendas