Pressão

O sofrimento das mães obrigadas a deixarem seus bebês nas creches

Com a intensificação da crise econômica, as mulheres foram as primeiras a perder seus empregos, ou a se demitir para poder cuidar das crianças que não tinham escola, ou mesmo dos que adoeceram na família
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Um fato que vem ocorrendo de forma cada vez mais frequente no Brasil é que muitas mães estão tendo que deixar seus bebês com menos de dois meses nas creches. Isso se dá em função da crise econômica que assola o País; pois, ou voltam a trabalhar ou não têm como garantir o sustento familiar.

Uma questão importante nos debates do Coletivo de Mulheres Rosa Luxemburgo, do PCO, é que as mulheres possam criar seus filhos com afeto e em condições dignas. Frequentemente, estamos ressaltando como as mulheres são as mais prejudicadas, em todos os aspectos, na sociedade capitalista, e portanto, também seus filhos. 

Vimos que com a intensificação da crise econômica, devido a pandemia do coronavírus, as mulheres foram as primeiras a perder seus empregos, ou a se demitir para poder cuidar das crianças que não tinham escola, ou mesmo dos que adoeceram na família. 

O governo do presidente ilegítimo Jair Bolsonaro nada fez pelas mulheres ou pelos trabalhadores em geral. Os míseros R$600,00 de auxílio emergencial iniciais nunca deu para nada e agora, o auxílio Brasil, rebaixado para R$233,00, que não paga nem mesmo o leite da criança. 

Vale destacar que as mães de parto recente ainda são puérperas, isto é, a partir do momento da saída da placenta até 45 dias é considerado pós-parto. Em relação aos bebês, os três primeiros meses são considerados meses intensos de gestação externa, e até os 18 meses gestação externa menos intensa. Acreditamos que é possível, a partir destas informações, compreender o quanto este período é importante para o desenvolvimento do bebê e quanto é importante a mãe estar junto ao recém-nascido. 

Portanto, é inaceitável que a mãe fique com seu filho bebê sem nenhum tipo de amparo. Para que esse desenvolvimento seja saudável, a mãe não pode estar sem condições materiais.

Na Conferência Internacional do Coletivo Rosa Luxemburgo, esse assunto foi abordado. No documento final consta a necessidade de que o Estado pague, pelo menos, um salário para as mães e pelo menos um salário para a criança até a maioridade; a creche é um dispositivo importante, mas no tempo correto, e inclusive sabemos que não há creches suficientes para as crianças, e muito menos para bebês recém nascidos.

De acordo com Mariana Luz, CEO da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, organização que atua por melhores políticas para a primeira infância, “garantir vaga para uma criança de um ou dois meses com uma mãe nessa situação de vulnerabilidade é garantir a sobrevivência”. Nós, como sociedade, precisamos entender qual é o melhor lugar para esse bebê que vive esse contexto, mas não basta só ter a vaga, é preciso qualidade.” 

A qualidade é, acima de tudo, condições dignas para que a mãe possa garantir o aleitamento materno. “A amamentação é importante para o fortalecimento do sistema imunológico da criança. O leite materno de cada mãe tem as propriedades necessárias e específicas para cada criança. E é o momento em que a criança forma vínculos, isso é importante para o seu desenvolvimento cognitivo e socioemocional”.

Já a economista Cecilia Machado, professora da FGV, mal disfarçando a puxação de saco do governo neoliberal direitista do senhor Doria, diz que “ao menos São Paulo conseguiu estruturar uma política pública muito importante que é oferecer vaga em creche para que essas mães possam voltar a trabalhar, o que infelizmente não acontece na maioria dos municípios. Ter renda também é dar condições para o desenvolvimento da criança”.

Como nós, do Coletivo de Mulheres Rosa Luxemburgo sempre apontamos, NÃO EXISTE SORORIDADE INTERCLASSES!

Central de Vendas

Entre em contato pelo WhatsApp  11 99867-9315 ou pelo E-mail jcoadm29@gmail.com

Precisa de ajuda?

Em caso de dúvidas, ou se quiser recuperar seu “Usuário”, envie mensagem para 11 99867-9315 ou pelo E-mail jcoadm29@gmail.com

Faça já sua assinatura digital de Causa Operária:
  • Assinatura Mensal Digital Completa (por quatro semanas) por R$ 11,99 um único mês, você pode optar pela renovação automática, descontando R$ 11,99 todo mês da sua conta.
  • Assinatura Semestral Digital Completa (por vinte e quatro semanas) por R$ 64,99 pagamento único.
  • Assinatura Anual Digital Completa (por quarenta e oito semanas) por R$ 99,99 pagamento único.

Menu Principal

Ajuda, Dúvidas e Televendas