Entrada da Finlândia na OTAN é iminente

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Fabio Picchi, militante do Partido da Causa Operária na Finlândia

A primeira-ministra finlandesa, Sanna Marin, concedeu no último dia 7 uma entrevista ao jornal japonês Nikkei na qual indicou que seu governo anunciará uma posição sobre o ingresso na aliança militar imperialista até o final de maio. O congresso do Partido Social Democrata (SDP) da Finlândia, do qual Marin faz parte, ocorre no próximo dia 14 e deverá selar o destino do país que possui mais de 1.300 quilômetros de fronteira e uma longa história compartilhada com a Rússia.

A entrevista ao Nikkei não é por acaso. Marin esteve no Japão entre os dias 10 e 12 deste mês. Segundo o sítio do governo finlandês, a visita teve como foco as relações comerciais entre os dois países, mas certamente a questão OTAN foi um destaque, senão o verdadeiro assunto principal. A entrada de um novo país-membro precisa ser apoiada por todos os seus integrantes em unanimidade.

No final do mês passado, a primeira-ministra finlandesa visitou a Grécia, onde conseguiu a confirmação de seu contrapartida grego, Kyriakos Mitsotakis, que confirmou que seu país apoiará a “decisão do povo finlandês” sobre a entrada na OTAN. Alguns países, porém, apresentaram restrições por possuírem laços políticos ou econômicos com a Rússia: foi o caso da Croácia e da Hungria.

É no mínimo irônico que a esperança de bloqueio dessa medida que coloca a Finlândia numa rota de colisão com seu terceiro maior parceiro comercial, a Rússia, esteja nas mãos de políticos conservadores como Viktor Orbán, o primeiro-ministro húngaro. A esquerda finlandesa, em sua grande maioria, foi jogada numa posição defensiva e sequer realizou uma manifestação pública de repúdio à medida.

Três dos 16 parlamentares da Aliança de Esquerda, partido supostamente de extrema esquerda que integra a coalizão governista social-democrata, já manifestaram seu apoio à entrada na OTAN. Sua líder, Li Andersson, já confirmou a posição do partido de que a entrada no braço armado do imperialismo não será motivo para que rompa com o atual governo que depende de seu apoio para sustentar maioria parlamentar. Ainda assim, nove parlamentares da Aliança de Esquerda já se posicionaram contra a medida, fazendo deste o único partido cujo uma maioria dos integrantes é contra a entrada na OTAN.

Dentre os social-democratas, há ampla aprovação para a medida guerreira. Em pesquisa de opinião ao Yle News, a maior parte dos parlamentares preferiu manter sua posição em sigilo, mas o clima político não os deixa esconder que favorecem uma posição ofensiva contra a Rússia. Uma das poucas vozes dissidentes é o parlamentar Erkki Tuomioja, que declarou que a imprensa finlandesa está sofrendo de uma “psicose de guerra”. Tuomioja, porém, já confirmou que este será seu último ano como parlamentar.

Nos atos de 1o de maio, houve um pequeno bloco que levou concretamente às ruas as palavras de ordem “fora OTAN”, no que foi talvez a primeira manifestação pública significativa de repúdio à organização desde o início da Operação Militar Especial russa. A esquerda finlandesa tradicionalmente protestou sempre que o Exército finlandês participava de exercícios militares com as tropas imperialistas, mas encontra-se em estado catatônico desde que os russos decidiram responder às bravatas do imperialismo nas imediações de suas fronteiras.

De acordo com as pesquisas de opinião burguesas, mais de 76% dos finlandeses apoiam o ingresso na OTAN. Um ano atrás, eram apenas 35%. É possível que esses dados sejam reflexo da intensa propaganda; prédios públicos finlandeses hastearam as bandeiras da Ucrânia de modo que fica difícil saber, ao caminhar pelas ruas de Helsinque, se estamos realmente na Finlândia. De qualquer maneira, o governo que em fevereiro veiculava a ideia de um referendo, agora decidiu tomar a decisão por conta própria se valendo desse “termômetro” da opinião pública.

Com a colaboração da social-democracia, que sempre faz questão de mostrar seu alinhamento com o imperialismo nos momentos de maior crise; e com a omissão da esquerda temerária da “opinião pública”, a Finlândia se aproxima de um passo do qual dificilmente poderá voltar atrás. É provável que nenhum conflito exploda neste mês. Os russos, ocupados com o enfrentamento dos destacamentos fascistas na Ucrânia não têm motivo algum para invadir a Finlândia, mas a tensão na fronteira entre os dois países certamente irá aumentar.

Central de Vendas

Entre em contato pelo WhatsApp  11 99867-9315 ou pelo E-mail jcoadm29@gmail.com

Precisa de ajuda?

Em caso de dúvidas, ou se quiser recuperar seu “Usuário”, envie mensagem para 11 99867-9315 ou pelo E-mail jcoadm29@gmail.com

Faça já sua assinatura digital de Causa Operária:
  • Assinatura Mensal Digital Completa (por quatro semanas) por R$ 11,99 um único mês, você pode optar pela renovação automática, descontando R$ 11,99 todo mês da sua conta.
  • Assinatura Semestral Digital Completa (por vinte e quatro semanas) por R$ 64,99 pagamento único.
  • Assinatura Anual Digital Completa (por quarenta e oito semanas) por R$ 99,99 pagamento único.

Menu Principal

Ajuda, Dúvidas e Televendas