Cerco golpista

Derrotar os “amigos da onça” que agem contra Lula

Tentativa de tomar o controle da campanha de Lula, censurar suas falas em defesa de interesses da direita e uma permanente sabotagem dos “aliados”, que só querem se escorar em Lula para continuar servindo à burguesia, deixam cada vez mais claro a necessidade de deixar para trás essa política. A frente ampla com a direita golpista, de conciliação e rendição diante de setores que atuam exclusivamente na defesa dos seus próprios interesses. Elementos que não terão reservas de mudar para o lado de Bolsonaro, caso sejam “convocados” pela burguesia para derrotar Lula e todo o povo brasileiro. Uma política que ameaça colocar a campanha de Lula no caminho da desmoralização e da derrota. É preciso pôr um freio à essa situação, por meio de uma mobilização da esquerda classista, construindo Comitês de Luta, levantando um programa próprio em defesa das reivindicações dos trabalhadores diante da crise e de luta por Lula presidente, por um governo dos trabalhadores, sem patrões e sem golpistas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A imprensa capitalista e até mesmo setores da imprensa alternativa deram algum destaque, nos últimos dias, ao fato de o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSB), estar buscando nomear pessoas de sua proximidade para a coordenação de campanha e do programa de governo na chapa de Lula.

O PIG (Partido da Imprensa Golpista) chega a destacar que “Alckmin quer aliados de confiança na coordenação de campanha de Lula“ (Folha de S. Paulo, 17/5/22). De um modo geral, exaltam que o ex-governador de São Paulo e ex-presidente do PSDB, poderia se valer de sua “experiência”, no governo de SP, para a elaboração de um programa de PPPs (Parcerias Público-Privadas).

A Folha de S. Paulo destacou, na sua sessão Painel,  que na chefia do governo paulista, Alckmin patrocinou uma lei das PPPs que incluiu a criação da CPP (Companhia Paulista de Parcerias), que servia como um fundo garantidor para as empresas privadas que participassem de projetos do Estado.

Com estas e outras medidas vai ficando evidente que a presença do neoliberal tucano na chapa de Lula não visa, de forma alguma – como anunciam alguns dirigentes da esquerda – promover uma aproximação de setores da direita das propostas da esquerda, em geral, ou de Lula, em particular, mas servir como base para pressionar o ex-presidente Lula e toda a sua campanha, no sentido oposto, na direção da capitulação para propostas caras à direita golpista, como a defesa das PPP, das privatizações etc.

Isso significa que a burguesia usa Alckmin para tentar desarmar a campanha de Lula naquilo que ela tem de mais progressista, ou seja, o enorme potencial que possui para mobilizar os trabalhadores, a juventude e outros setores dos explorados contra a ofensiva que a direita impôs – de forma mais acelerada – com o golpe de Estado. A “experiência” de Alckmin, que esteve à frente do governo de SP por 14 anos, dos quase 30 anos de devastação promovida pelos tucanos em favor dos grandes capitalistas, é pródiga neste sentido, vale dizer, no sentido totalmente oposto aos interesses dos trabalhadores.

Se vitoriosa essa política, a campanha de Lula deixaria de ser um polo de defesa das reivindicações populares, para ser uma campanha de defesa do programa neoliberal de Alckmin, PSDB e outros setores da direita golpista para o País.

Na medida em que Lula reage, empiricamente, em vários aspectos a essa pressão, quando discursa contra as privatizações, contra o limite de teto de gastos etc., a direita reage, chama Lula de “irresponsável”, como fez o reacionário jornal O Estado de S. Paulo, atacando Lula de fora de sua campanha, enquanto Alckmin, o PSB e outros “Cavalos-de Tróia” infiltrados em sua campanha, procuram atacá-lo por dentro da chapa, até mesmo no comando da campanha.

Esses setores execrados pela população e desprestigiados até mesmo em seus antigos partidos não trazem qualquer apoio real para Lula – uma vez que não têm apoio popular – mas se apóiam em Lula, no seu prestígio, para tentar minar por dentro o caráter combativo de sua campanha, que é a única de oposição real ao regime golpista decadente.

Essa política, longe de ampliar as bases da campanha de Lula – como anunciam setores do PIG e até mesmo da esquerda burguesa e pequeno burguesa (que agem como ventríloquos do PIG)- cumpre o propósito de minar as chances de vitória de Lula que, para ser vitorioso, depende de uma ampla mobilização popular que derrote a direita, o que não pode ser feito com base em políticas hostis aos interesses dos trabalhadores, mas justamente como parte da luta contra elas.

A essa trama para minar a base política da campanha de Lula se juntam outras manobras, como a rendição do PT diante de políticos burgueses reacionários, como a do prefeito licenciado de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD) e o presidente do partido que o abriga, Gilberto Kassab (ex-ministro dos governos de Temer e Dilma; ex-secretário da Casa Civil de João Doria; ex-prefeito de São Paulo etc.). Esses “aliados” conseguiram que o PT não só abrisse mão de disputar o governo estadual em Minas Gerais, como também desistisse da candidatura ao Senado do seu líder na Câmara, o deputado federal Reginaldo Lopes e passasse a apoiar o senador Alexandre Silveira (PSD), candidato à reeleição. Silveira é ex-delegado de polícia e chegou ao senado após eleger-se primeiro suplente de senador do ex-governador Antonio Anastasia (PSDB), que foi indicado pelo “centrão” para o cargo de ministro do Tribunal de Contas da União (TCU).

O PT e a esquerda parlamentar vem cedendo espaço cada vez mais para elementos golpistas em quase todo o País, seja para “aliados” da esquerda burguesa (como o PSB em PE, RJ); seja para “aliados” da direita, como PSD, PP, MDB etc. em diversos estados. 

Os “aliados” burgueses do PT, retirados do “túmulo” pelas enormes concessões políticas do Partido à direita golpista que derrubou Dilma e prendeu Lula, vão colocando as “manguinhas de fora”, procurando conter Lula e defendendo seus mesquinhos interesses políticos. Outro exemplo disso é o ex-deputado Paulinho da Força, presidente do Solidariedade, que busca se reeleger e se “recolocar no mercado político” se passando por aliado de Lula, ao mesmo tempo que em São Paulo negocia apoio ao governador tucano, Rodrigo Garcia (PSDB), contra a candidatura de Fernando Haddad (PT). Com aliados assim, quem precisa de adversários?

Fica cada dia mais claro a necessidade de deixar para trás essa política de frente ampla com a direita golpista, de conciliação e rendição diante de setores que atuam exclusivamente na defesa dos seus próprios interesses e que não terão reservas de bandear para o lado de Bolsonaro, caso sejam “convocados” pela burguesia para derrotar Lula e todo o povo brasileiro. Uma política que vai dando cada vez mais espaço para a direita, colocando assim  a campanha de Lula no caminho da desmoralização e da derrota.

É preciso pôr um freio à essa situação por meio de uma mobilização da esquerda classista, construindo Comitês de Luta, levantando um programa próprio em defesa das reivindicações dos trabalhadores diante da crise e de luta por Lula presidente, por um governo dos trabalhadores, sem patrões e sem golpistas.

Central de Vendas

Entre em contato pelo WhatsApp  11 99867-9315 ou pelo E-mail jcoadm29@gmail.com

Precisa de ajuda?

Em caso de dúvidas, ou se quiser recuperar seu “Usuário”, envie mensagem para 11 99867-9315 ou pelo E-mail jcoadm29@gmail.com

Faça já sua assinatura digital de Causa Operária:
  • Assinatura Mensal Digital Completa (por quatro semanas) por R$ 11,99 um único mês, você pode optar pela renovação automática, descontando R$ 11,99 todo mês da sua conta.
  • Assinatura Semestral Digital Completa (por vinte e quatro semanas) por R$ 64,99 pagamento único.
  • Assinatura Anual Digital Completa (por quarenta e oito semanas) por R$ 99,99 pagamento único.

Menu Principal

Ajuda, Dúvidas e Televendas