Agravamento da crise

A direita não quer barrar o golpe, quer comandá-lo

Golpistas de toga e da terceira via disputam com bolsonarismo quem vai comandar a fraude contra o povo. Do lado da direita tradicional, uma artilharia pesada da propaganda busca alertar sobretudo a classe média esquerdista contra um golpe promovido pela extrema-direita. Bolsonaro, por sua vez, une-se aos militares para pressionar a burocracia judicial e mantém sua agitação, mesmo sob reprovação pública dos patrões imperialistas. Nenhum dos lados quer nada de bom para a candidatura de Lula, que deverá lutar nas ruas, com os trabalhadores e mobilizando suas próprias forças se não quiser ser golpeado. De novo.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

As eleições estão se aproximando e com isto as disputas dentro da burguesia para ver quem vai efetivamente controlar o processo eleitoral se intensificam.

Não por acaso, cresce em toda a imprensa capitalista as “denúncias” de que o bolsonarismo estaria preparando um golpe nas eleições. Ao mesmo tempo em que, é evidente, que Bolsonaro e os chefes militares buscam pressionar o judiciário, no sentido de terem algum controle sobre o processo eleitoral.

“Latindo” atrás do portão

Em discurso, no último dia 12, por exemplo, um dos principais ministros de toda a criminosa operação Lava Jato, que fraudou as eleições de 2018 colocando Lula na cadeia e Bolsonaro na presidência, Edson Fachin, membro do STF e atualmente presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), bradou que “o país terá eleições limpas e que ninguém e nada interferirá” na Justiça Eleitoral (Portal G1, 12/5/22).

Fachin, ainda ironizou cinicamente, afirmando que “quem cuida das eleições são as forças desarmadas” (idem), deixando de lado que, em 2018, ele e toda a “suprema corte” “bateram continência” às ordens do comando militar que, publicamente ameaçou o País de golpe – mostrando que os militares também cuidam das eleições – caso fosse garantido o direito constitucional que o ex-presidente Lula tinha de ser colocado em liberdade e ser candidato.

Agravamento da crise e manobras

Evidenciando o aprofundamento da divisão entre as alas da burguesia, diante do avanço da crise econômica e da polarização puxada pela esquerda – com a candidatura de Lula  -, o  senador Lasier Martins (Podemos-RS) apresentou um requerimento para que o também ministro do STF, e ex-presidente do TSE, Luís Roberto Barroso apresente esclarecimentos sobre declarações envolvendo as Forças Armadas e as eleições deste ano. Barroso declarou que as instituições militares estavam sendo orientadas a “desacreditar” o sistema eleitoral brasileiro, o que – por sua vez – foi apontado pelo  ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira, como declarações “irresponsáveis”.

Defendendo os interesses do grupo governista, o senador Lasier, afirmou – sem que se possa dizer que esteja errado – que “’não compete e nem convém’ que um ministro do STF faça críticas às Forças Armadas” (Veja, 11/5/22). Com o que, de forma tímida, apontou em direção ao papel cada vez mais político desempenhado pelos “homens da capa preta” que, há vários anos, desde o início das articulações golpistas, passaram a ocupar o primeiro lugar no noticiário político dos grandes monopólios da imprensa burguesa e até mesmo de setores da esquerda, que ainda conseguem difundir a ilusão de que os mesmo atuam com alguma imparcialidade e na “defesa da Constituição”, quando estes estão e sempre estiveram na linha de frente da violação dos direitos democráticos de quem se oponha à política da direita golpista diante da crise.

Contra o golpe?

A golpista imprensa capitalista, defensora ardorosa da terceira via, mas que em 2018 – da mesma forma que os “paladinos” da Justiça do STF, garantiram a fraude das eleições sem Lula, que elegeu Bolsonaro, tenta convencer parcelas da população (com amplo apoio na esquerda burguesa e pequeno burguesa) que estaríamos diante da luta do bem contra o mal, e que os togados seriam os “mocinhos”, quando estamos diante de uma intensa luta entre as principais frações da burguesia para ver quem comanda o processo eleitoral e a terceira etapa do golpe.

De um lado, o imperialismo, capitaneado pelos EUA, cujos chefes democratas vem dando seguidas declarações de confiança na justiça eleitoral brasileira, nas urnas eletrônicas etc., com seus aliados e sócios menores do mercado financeiro e da maioria do grande capital “nacional” que procuram estabelecer uma via intermediária que impeça a eleição de Lula, bem como do próprio Bolsonaro, que serviu (na condições de outrora) aos interesses da direita tradicional para derrotar – de forma fraudulenta – o candidato reserva da esquerda, Fernando Haddad, mas cuja permanência no governo constitui uma ameaça para os planos da direita de intensificar os ataques contra a economia nacional e o povo brasileiro, pelas tendências a uma explosão social que estimula.

De outro, a extrema direita bolsonarista, representando – por hora – os interesses de setores mais fracos da burguesia nacional (em relação ao imperialismo, aos banqueiros e à grande indústria, por exemplo), do agronegócio, dos setores grandes e médios do comércio, dos militares, da classe média em decomposição etc., que se vêm diretamente atacados pelo controle que a direita tradicional tem sobre algumas das instituições mais antidemocráticas do Estado capitalista, como é o caso do Judiciário e da imprensa capitalista.

A disputa entre essas duas alas tem lances cotidianos não só nas ações do judiciário, como as condenações e clara perseguição política contra bolsonaristas, mas também nos atritos no Congresso Nacional, com a tentativa dos governistas de afastar da vice-presidência da Câmara dos Deputados, o  deputado Marcelo Ramos (PSD-AM), por conta do mesmo ter trocado o PL (onde se encontrava quando eleito) pelo PSD, o que estaria em desacordo com o Regimento da Casa. No TSE, o ministro que vai presidir o TSE no processo eleitoral, Alexandre de Moraes, se intrometendo – uma vez mais – no funcionamento do Legislativo, já concedeu liminar para manter Ramos no cargo.

Se somam ainda as ações da Polícia Federal, como o inquérito contra o presidente ilegítimo, depois que o próprio Alexandre de Moraes aceitou uma notícia-crime do próprio TSE emitida contra Bolsonaro por ter criticado o processo eleitoral e o TSE e defendido o voto impresso.

Mostrando que procura se entender, ao menos, com uma parte dos militares, no dia 10 o TSE divulgou suas respostas ao questionário encaminhado pelo Ministério da Defesa sobre o processo eleitoral, deixando evidente – uma vez mais – que as  forças armadas continuam “cuidando das eleições”.

Bolsonaro e seus aliados sabem que sem que tenham algum controle do processo eleitoral não conseguirão impedir que sejam vítimas de uma fraude organizada pela burguesia golpista desejosa de uma terceira via eleitoral, e que controla o TSE.

A esquerda precisa deixar de lado suas vãs ilusões de que a direita golpista que derrubou Dilma, prendeu Lula e atacou duramente os trabalhadores, vai garantir a realização de eleições livres e democráticas.

Eles estão em atrito, mas nesta disputa nenhum dos lados defende os interesses democráticos do povo e são capazes de garantir que Lula, a esquerda e todo os explorados não sejam uma vez mais golpeados. Pelo contrário, estão disputando quem vai comandar a terceira etapa do golpe. 

Central de Vendas

Entre em contato pelo WhatsApp  11 99867-9315 ou pelo E-mail jcoadm29@gmail.com

Precisa de ajuda?

Em caso de dúvidas, ou se quiser recuperar seu “Usuário”, envie mensagem para 11 99867-9315 ou pelo E-mail jcoadm29@gmail.com

Faça já sua assinatura digital de Causa Operária:
  • Assinatura Mensal Digital Completa (por quatro semanas) por R$ 11,99 um único mês, você pode optar pela renovação automática, descontando R$ 11,99 todo mês da sua conta.
  • Assinatura Semestral Digital Completa (por vinte e quatro semanas) por R$ 64,99 pagamento único.
  • Assinatura Anual Digital Completa (por quarenta e oito semanas) por R$ 99,99 pagamento único.

Menu Principal

Ajuda, Dúvidas e Televendas