Medida autoritária

Esquerda abandona a juventude e defende o passaporte vacinal

A universidade pública deveria ser um lugar capaz de proporcionar um grande debate político organizado da esquerda em torno da vacinação
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Na última sexta-feira (11), foi publicada uma nota de repúdio, assinada por 1.184 advogados, a exigência do comprovante de vacinação contra a COVID-19 na volta às aulas presenciais nas universidades públicas do País. Segundo o grupo de advogados, denominados Advogados de Direita do Brasil, o “passaporte sanitário”, como é chamado o documento, é um ataque aos direitos fundamentais dos estudantes.  

Sobre os acontecimentos em torno da nota, é importante esclarecer que o impedimento da entrada e circulação de pessoas não vacinadas nas universidades públicas do País é uma medida definitivamente autoritária contra a população.

A vacinação da população contra o vírus não é, e nem deveria ser, politicamente, considerando recomendações de políticas públicas de saúde, uma ação de caráter autoritário, então, não tem caráter de obrigatoriedade. Para além disso, o passaporte sanitário é uma ação que interfere diretamente no desenvolvimento do estudante, na medida em que impede o seu direito democrático de ingresso à universidade. Por fim, acaba sendo uma medida que favorece à direita, no sentido de esvaziamento da universidade e da escola, pois pela lógica, o passaporte se estenderia também às escolas, vetando a presença de crianças no ensino básico.     

Alguns grupos da esquerda, seguindo a política da burguesia e da direita, argumentam que, se todos que circulam no local estiverem vacinados, não haveria contágio e poderíamos, então, retomar todas as atividades normalmente num futuro próximo. A própria experiência prática demonstra que isso não se confirma, pois, a vacina não impede a contaminação, mas faz com que o vírus se manifeste de maneira mais branda. Não é à toa que o Brasil bate novos recordes de contaminação e subnotificações no início de 2022. Nesse sentido, por que, então, barrar pessoas não vacinadas se o risco àqueles vacinados será exatamente na mesma proporção, ou menor, do que risco que elas correm no dia a dia nos bares, nas festas e no transporte coletivo?

De certo, é preciso destacar que o interesse concreto dos advogados direitistas que assinaram a nota, não é garantir os “direitos fundamentais” daqueles estudantes. O objetivo é, no fim das contas, jogar a esquerda dentro de uma armadilha que leva a uma grande confusão sobre o tema. Desse modo, é possível entender que, enquanto a direita aproveita para fazer demagogia, os trabalhadores entram em conflito com o posicionamento confuso e autoritário de grupos da esquerda, e com setores que deveriam se posicionar de maneira progressista, como a universidade. Essa demagogia direitista, por fim, acaba cooptando setores da população e nesse caso dos estudantes.

Desde o início da pandemia, os empresários e a direita vêm exercendo uma pressão imensa para que as aulas, nos setores públicos e privados, pudessem continuar a qualquer custo, pois o que lhes interessava era o lucro acima de toda e qualquer situação. Desse modo, tivemos durante quase todo 2020, e todo o ano de 2021, um sistema precário de educação, no qual os mais prejudicados foram os filhos da classe trabalhadora, que ficaram sem aulas no setor público.

O mito do EAD entrou em vigor financiado por grandes empresários da educação, apenas para garantir o lucro com algo que “acontecia” a duras penas, e abandonaram completamente os estudantes. Diante da situação, a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) foram cooptados pela lógica empresarial, e manifestaram apoio ao EAD. Nos setores privados a educação a distância não funcionou, pois não houve recursos tecnológicos e virtuais suficientes para isso, quem dirá na esfera pública, onde não havia celulares, internet e alimentação para os estudantes, dependentes da estrutura física da escola. Em matéria neste Diário, expusemos que a vontade de grande parte dos estudantes do setor público era o cancelamento do ano letivo.

A esquerda, portanto, está se posicionando sobre a questão de uma maneira equivocada, sendo levados, mais uma vez, pelos interesses da burguesia. A universidade pública deveria ser um lugar capaz de proporcionar um grande debate político organizado da esquerda em torno da vacinação, pois é o lugar que concentra grandes especialistas e estudos. No entanto, alguns grupos, agindo de maneira autoritária, afasta a população da universidade, anulando exatamente aquilo que ela teria condições de fornecer.

A nota dos advogados direitistas termina sendo uma maneira concreta de cooptar a juventude e, de fato, afastá-los da universidade, e de um debate sério sobre a pandemia organizado por setores progressistas. Como medida autoritária, o passaporte da vacina nas universidades deve ser repudiado por toda a esquerda.

Central de Vendas

Entre em contato pelo WhatsApp  11 99867-9315 ou pelo E-mail jcoadm29@gmail.com

Precisa de ajuda?

Em caso de dúvidas, ou se quiser recuperar seu “Usuário”, envie mensagem para 11 99867-9315 ou pelo E-mail jcoadm29@gmail.com

Faça já sua assinatura digital de Causa Operária:
  • Assinatura Mensal Digital Completa (por quatro semanas) por R$ 11,99 um único mês, você pode optar pela renovação automática, descontando R$ 11,99 todo mês da sua conta.
  • Assinatura Semestral Digital Completa (por vinte e quatro semanas) por R$ 64,99 pagamento único.
  • Assinatura Anual Digital Completa (por quarenta e oito semanas) por R$ 99,99 pagamento único.

Menu Principal

Ajuda, Dúvidas e Televendas